Eles nos deixaram em 2011 (II)

Aqui estão mais 15 personalidades que nos deixaram em 2011 e de quem sempre lembraremos com carinho e admiração (veja a primeira parte no post anterior).

Billy Blanco
Cantor e compositor. William Blanco Abrunhosa Trindade nasceu no dia 8 de maio de 1924 em Belém (PA). Foi um dos precursores da Bossa Nova. Compôs mais de 500 músicas, gravadas por cantores como João Gilberto, Elis Regina, Dick Farney, Lúcio Alves, Dolores Duran e outros grandes nomes. Fez parcerias com Tom Jobim, Baden Powell e Sebastião Tapajós, dentre outros. Faleceu aos 87 anos, no dia 8 de julho, de parada cardíaca, nove meses após ter sofrido um AVC.

Oswaldo Lacerda
Compositor. Nasceu em São Paulo, em março de 1927. Começou a tocar piano aos 5 anos. Mais tarde, em 1952, passaria também a compor, ao estudar com Camargo Guarnieri, um dos defensores do que o escritor Mário de Andrade chamava de “música de caráter essencialmente nacional”. Em 1962, tornou-se o primeiro brasileiro a usufruir a bolsa da Fundação Guggenheim. Estudou nos Estados Unidos com Aaron Copland. Faleceu aos 84 anos, no dia 18 de julho, em São Paulo, por falência múltipla dos órgãos.

Ítalo Rossi
Ator. Ítalo Balbo di Fratti Coppola Rossi nasceu em Botucatu (SP) em 19 de janeiro de 1931. Estreou no Teatro Brasileiro de Comédias (TBC). Em sua carreira de mais de 50 anos, participou de mais de 400 montagens. Esteve no palco até os últimos anos de vida. Foi um dos fundadores do Teatro dos Sete, ao lado de Fernanda Montenegro, Sergio Britto e Fernando Torres. Nos anos 1980, ganhou três prêmios Molière, o mais importante das artes cênicas no Brasil. Na televisão, iniciou a carreira em 1963, na extinta TV Rio, e participou de dezenas de novelas, séries e especiais. Seu último trabalho na televisão foi como Seu Ladir, no humorístico Toma Lá, Dá Cá, dono do bordão “É mara!”, que caiu no gosto popular. No cinema, participou de cerca de 20 filmes. Faleceu aos 80 anos, no dia 2 de agosto, no Rio de Janeiro, de complicações respiratórias.

Marcos Plonka
Ator e humorista. Marcos Plonka nasceu em 26 de setembro de 1939, em São Paulo. Era filho de judeus poloneses. Na tevê, fez novelas na Tupi como Terror nas Trevas (1963), Alma Cigana (1964), O Direito de Nascer (1964) e O Machão (1974). Fez dublagens e, já experiente, foi para a TV Globo, onde participou de vários programas de humor como Planeta dos Homens, Balança, mas não cai, Os Trapalhões, Chico Anizio Show, Chico City e Escolinha do Professor Raimundo. Neste último, na década de 1990, consagrou-se com o personagem judeu Samuel Blaustein, que repetia o bordão “Fazemos qualquer negócio”. Faleceu ao 71 anos, no dia 8 de setembro, de infarto fulminante.

Marcos Santarrita
Escritor, tradutor e jornalista. Marcos Santarrita nasceu em Aracaju (SE), no dia 16 de abril de 1941, e foi criado na Bahia. Começou sua carreira literária colaborando, com traduções e contos, para o Jornal da Bahia, A Tarde e Diário de Notícias. Em 1967, transferiu-se para o Rio de Janeiro. Foi redator dos jornais O Globo, Jornal do Brasil e Última Hora, além de ter trabalhado na revista Fatos e Fotos. Também colaborou com o jornal Folha de S. Paulo e a revista IstoÉ. Traduziu para o português mais de 120 obras de autores como Alexandre Dumas, Philip Roth, Dashiell Hammett, Eric Hobsbawm, J. G. Ballard e Charles Bukowski. Foi ganhador de dois prêmios da Academia Brasileira de Letras: um de ficção, por seu romance Mares do Sul, em 2001; e de tradução (pelo conjunto da obra tradutória), em 2004. Faleceu aos 70 anos, no dia 5 de outubro, no Rio de Janeiro, vítima de câncer de pulmão.

José Vasconcelos
Ator, radialista e humorista. José Thomaz da Cunha Vasconcellos Neto nasceu no dia 20 de março de 1926, em Rio Branco (AC). Importante pioneiro do humor no rádio, na tevê e no palco. Estreou no rádio no início dos anos 1940, imitando as vozes de outros locutores e artistas. No cinema, sua estreia foi em Este Mundo é um Pandeiro (1947), filme de Watson Macedo com Oscarito no elenco. Produziu e atuou no primeiro programa humorístico da tevê brasileira, A Toca do Zé, na TV Tupi, em 1952. Atravessou a década de 1950 apresentando Eu Sou o Espetáculo, um show de humor solo. Em 1960, gravou um disco com o mesmo nome e vendeu mais de 100 mil cópias. As gerações mais recentes o conheceram como o gago Rui Barbosa Sa-Silva, da Escolinha do Professor Raimundo, nos anos 1990, personagem depois apresentado em outros humorísticos. Há alguns anos, sofria de Mal de Alzheimer e problemas renais. Faleceu aos 85 anos, no dia 11 de outubro, de uma parada cardíaca.

Leon Cakoff
Jornalista, produtor, diretor e crítico de cinema, fundador da Mostra Internacional de Cinema de São Paulo. Leon Chadarevian nasceu em 25 de junho de 1948, em Alepo, na Síria. Veio para ao Brasil aos oito anos. O sobrenome Cakoff foi adotado após ter problemas com a censura durante a ditadura. A partir de 1974, dirigiu o Departamento de Cinema do Museu de Arte de São Paulo (Masp). Escreveu para o Diário da Noite, Diário de São Paulo, Folha de S. Paulo e Valor Econômico. Faleceu aos 63 anos, em 14 de outubro, de câncer.

Luiz Mendes
Radialista. Luiz Pineda Mendes nasceu em 9 de junho de 1924, em Palmeira das Missões (RS). Sua carreira teve início na década de 40, na Rádio Farroupilha, de Porto Alegre. Em 1950, já no Rio de Janeiro, narrou para a Rádio Globo o jogo decisivo da Copa do Mundo, em que o Brasil perdeu para o Uruguai. Trabalhou como locutor e comentarista em 16 das 19 Copas do Mundo. Era conhecido como “o comentarista da palavra fácil” e, por mais de 60 anos, iniciava suas transmissões com o bordão “Minha gente…”. Faleceu aos 87 anos, em 27 de outubro, no Rio de Janeiro, vítima de complicações decorrentes do diabetes.

Adriano Reys
Ator. Adriano nasceu no Rio de Janeiro em 20 de julho de 1933. Começou sua carreira no cinema em 1953 no filme É pra casar?. Depois de mais 13 filmes no cinema, passou a atuar na tevê, em 1970. Fez novelas na TV Tupi, na Globo e na Record. Faleceu aos 78 anos, em 20 de novembro, de câncer no fígado e no peritônio.

Sócrates
Jogador de futebol e médico. Sócrates Brasileiro Sampaio de Souza Vieira de Oliveira nasceu em 19 de fevereiro de 1954, em Belém (PA). Começou sua carreira no Botafogo de Ribeirão Preto, no interior de São Paulo. Em paralelo, cursava Medicina na USP e, por isso, quase não treinava. Em 1978, foi para o Corinthians, onde se consagrou como ídolo. Já médico formado, ganhou da torcida o apelido de Doutor. Participou das Copas do Mundo de 1982 (como capitão) e de 1986. Passou pelo Fiorentina, da Itália, Flamengo e Santos. Não era somente um jogador consagrado pela cultura popular. Politizado, teve participação ativa durante a campanha das Diretas Já, nos anos 1980. Foi articulista de revista, comentarista de tevê e ainda passou pela música (gravando um disco em 1980), pelo teatro (como produtor), pela literatura e pelo cinema. O abuso no consumo do álcool o levou a sérios problemas gástricos. Faleceu aos 57 anos, no dia 4 de outubro. Sua morte teve repercussão mundial, sendo noticiada nos principais jornais da América do Sul, Europa e Estados Unidos.

Bernardo Jablonski
Ator, diretor de teatro, crítico, roteirista, professor e doutor em Psicologia. Bernardo Jablonski nasceu em 1º de janeiro de 1952, no Rio. Para o grande público, ele era o Aderbal, do humorístico de tevê Zorra Total, programa do qual também era um dos roteiristas. Além das muitas atribuições na área artística, tinha um currículo invejável em sua carreira acadêmica. Era Doutor em Psicologia Social, professor universitário e publicou uma imensa quantidade de artigos e livros. Foi casado durante 13 anos com a atriz Maria Clara Gueiros, com quem teve dois filhos. Faleceu aos 59 anos, no dia 28 de outubro, de câncer no fígado.

Rodolfo Bottino
Ator e chef de cozinha. Rodolfo Bottino Júnior nasceu no dia 11 de fevereiro de 1959, no Rio de Janeiro. Cursou Engenharia Civil na Universidade Federal do Rio de Janeiro, mas seguiu carreira artística. Começou a trabalhar em teatro ainda durante a faculdade. Seu primeiro trabalho na TV Globo foi a novela Livre para voar, de 1984. Na década seguinte, faria outras oito novelas e a minissérie Anos Dourados. Foi dono de restaurante e chef de cozinha nos anos 1980. Apresentou dois programas de culinária e gastronomia: Gema Brasil, na Rede Brasil, e UD Gourmet, no Shoptime. Era portador do vírus da AIDS desde os anos 90 e superou um câncer de pulmão em 2006. Faleceu aos 52 anos, no dia 11 de dezembro, em Salvador, vítima de embolia pulmonar.

Joãosinho Trinta
Carnavalesco, artista plástico, cenógrafo e bailarino. João Clemente Jorge Trinta nasceu no dia 23 de novembro de 1933, em São Luís do Maranhão. Mudou-se para o Rio de Janeiro em 1951 e, cinco anos depois, passou a integrar o Balé do Teatro Municipal do Rio. Em 1963, ingressou na Acadêmicos do Salgueiro, mas só assinou um desfile como carnavalesco em 1974. Passou por outras escolas de samba: Beija Flor, Viradouro, Rocinha, Grande Rio e Vila Isabel. Teve um AVC em 1997 e um segundo em 2004. Dois anos depois, afastou-se do carnaval. Nos últimos tempos, estava no Maranhão trabalhando em projetos da Secretaria da Cultura para a comemoração dos 400 anos de São Luís, em 2012. Faleceu aos 78 anos, no dia 17 de dezembro, com insuficiência cardíaca, renal e pneumonia.

Sérgio Britto
Ator, diretor, apresentador e roteirista de cinema, televisão e teatro. Sérgio Pedro Corrêa de Britto nasceu em 29 de junho de 1923 no Rio de Janeiro. Era estudante de Medicina quando, no dia 22 de novembro de 1945, subiu ao palco pela primeira vez no papel de Benvoglio, em uma montagem de Romeu e Julieta. Formou-se em Medicina e recebeu o diploma em janeiro de 1948. Quatro dias depois, estreou no papel de Horácio na montagem de Hamlet. Cobrado pelo pai para que se dedicasse à Medicina, preferiu ficar com o teatro, tornando-se um dos mais consagrados atores brasileiros de todos os tempos. Apaixonado por teatro, foi fundador da companhia Teatro dos Sete com Fernanda Montenegro e Ítalo Rossi, na década de 1950, e idealizou o Teatro dos Quatro, conhecido por seu repertório experimental. Na tevê, criou o Grande Teatro Tupi, que exibia peças famosas adaptadas para televisão. Participou de mais de 30 produções de tevê como ator e diretor. Dirigiu a primeira novela da TV Globo, Ilusões Perdidas, em 1965. No cinema, atuou em mais de 15 filmes. Nos últimos anos, apresentava o programa Arte com Sérgio Britto, na TV Brasil. Faleceu aos 88 anos, no dia 17 de dezembro, por problemas cardiorrespiratórios, no Rio de Janeiro.

João Bittar
Fotógrafo. João Bittar nasceu no dia 14 de março de 1951, em São Paulo. Começou a fotografar aos 17 anos. Trabalhou nos principais veículos de informação do país, como Folha de S. Paulo, Diário de S.Paulo, Veja, Exame, Gazeta Mercantil, Época e IstoÉ. Atualmente, trabalhava na agência Angular Fotojornalismo, criada por ele em 1985. Dentre suas fotos mais conhecidas está uma de Lula, então metalúrgico, com o umbigo de fora durante uma convenção da categoria em 1979. Faleceu aos 60 anos, em 18 de dezembro, de um infarto fulminante.

Deixe um Comentário

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

*

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>